MANDALA DE AREIA



Quando participei do CURSO DE MANDALA DE AREIA com os lamas tibetanos, pude perceber, durante essa iniciação, que somos envolvidos num processo de concentração e autoconhecimento profundo. Inicialmente busca-se a perfeição. Percebemos com clareza, todas as etapas da evolução do trabalho, assim como seus respectivos sentimentos. Passamos pela frustração, medo, raiva, insegurança, perseverança, esperança, reconhecimento, satisfação, capricho, orgulho, ego, etc., até chegarmos na etapa do desapego diante da criação.
Reconhecemos a importância desse momento, do aqui/agora e da alegria em poder compartilhar a beleza da criação, porém, sem tentarmos nos apoderar disso, pois se trata apenas de uma grande ilusão, assim como nossa própria vida. Ao final, faz-se o ritual da benção de agradecimento, recitam-se mantras e logo em seguida as mandalas são desfeitas, simbolizando e demonstrando a transitoriedade das coisas na vida (no budismo chama-se princípio da impermanência), mesmo que estas exijam maior esforço (exercício do desapego).
Simbolicamente esta “areia” é espalhada por toda a natureza (solo, rio, etc) abençoando todo o planeta e todos os seres que nela habitam.
Tashi Delek

Um comentário:

  1. Gostaria de receber informações sobre o próximo curso de mandalas... meu contato é tanaalvarez@hotmail.com.

    ResponderExcluir