In Lak' Ech!


Viajando pela net encontramos preciosidades que nos alegra o coração, gerando o desejo de compartilhar. Este site faz isso e divido agora com vcs!


(No final da página do site voce encontrará o ícone para tradução)

In Lak' Ech!


Para muitos parece uma filosofia vazia... para outros tantos... é somente um passar de olhos em cima de uma frase que parece bonitinha. Mas é uma grande verdade, SOMOS TODOS UM.


In Lak' Ech! é a expressão Maia que significa:

Eu sou você e você sou eu.
O que você faz aos outros, você faz a você.
Como você ajuda os outros, é como você se ajuda.
Quando você ajuda os outros, é quando você se ajuda.
Nós estamos todos conectados debaixo do Sol.


Se dividirmos o que somos, chegaremos a partícula mínima, independente de qual ela seja. Somos todos o conjunto, a montagem dessa partícula mínima em diversos formatos diferentes. A terra, o ar, a água, tudo que existe, sendo dividido chega a uma partícula mínima em comum.

A disposição disso e a montagem é que forma as pequenas diferenças entre tudo que existe na terra. Somos todos frutos desse pequeno pedaço de existência, dessa pequena concentração de energia chamada massa, e as pequenas diferenças de montagem que nos fazem seres diferentes não nos tira a maior verdade: SOMOS TODOS FORMADOS PELA MESMA MATÉRIA.(...)


(...) Mas no fim somos todos frutos da mesma energia. Somos UNOS com a terra que tocamos, com a água que bebemos, com a comida que comemos, com as pessoas que amamos, com aqueles que abraçamos, que beijamos, ou que sequer conhecemos: SOMOS TODOS UM!!!

Nessa base, o que há de mais natural do que a PAZ, o AMOR e o RESPEITO, já que somos uma UNIDADE? A paz consigo mesmo, o respeito por você e pelo que está ao seu redor, porque o que está ao seu redor também é parte do mesmo todo ao qual você pertence. E o amor, o amor que você sente pelos seus próximos é o amor que você sente por si mesmo, pela terra, pelo ar, pelo todo que te envolve que é tão parte dessa energia primária essencial quanto você. O mais importante não é o que as pessoas acham de você, mas sim o modo como você se trata. Trate-se bem e sinta-se bem. Pense nisso...Sócrates

(texto retirado da net)

Divisa

(Ilustração de Deepbluerenegade)

Mais importante do que a ciência, é o seu resultado,

Uma resposta provoca uma série de perguntas.

Mais importante do que a poesia, é o seu resultado,

Um poema invoca uma centena de atos heróicos.

Mais importante do que o reconhecimento, é o seu resultado,

O resultado é dor e culpa.

Mais importante do que a procriação é a criança.

Mais importante do que a evolução da criação é a evolução do criador.

Em lugar de passos imperativos, o imperador.

Em lugar de passos criativos, o criador.

Um encontro de dois: olhos nos olhos, face a face.

E quando estiveres perto, arrancarei teus olhos

E os colocarei no lugar dos meus;

E arrancarei os meus olhos

Para colocá-los no lugar dos teus

Então ver-te-ei com os teus olhos

E tu me verás com os meus.

Assim, até a coisa comum serve o silêncio

E o nosso encontro permanecerá a meta sem cadeias:

Um lugar indeterminado, num tempo indeterminado

Uma palavra indeterminada para um homem indeterminado.

JACOB LEVY MORENO (Psicodrama, 2a. edição, SP, 1978)

Filme Humanidade em Ascenção (Humanity Ascending). Clique aqui para saber mais!

Como voces, nós também estamos cansadas de ouvir sobre: fim do mundo, colapso, tragédias, dramas, catástrofes, 2012.........ufa!!!! O ser humano não merece cair nesta espiral negativa!
Foi quando um convite simples e inofensivo chegou:
-"Vocês gostariam de assistir à um filme?"
-"Claro! Do que se trata?"
-"Assistam primeiro e depois vocês me contam!".
Foi o que fizemos. E quase o tempo parou para que pudéssemos colocar para fora tudo o que sentimos com aquele filme! Renovação, Esperança, Certeza.
O Filme "Humanidade em Ascenção" ou "Humanity Ascending" de Barbara M. Hubbard, americana, estudiosa, escritora e abençoada por levar uma mensagem de esperança e possibilidades a todos nós, postula que as forças evolutivas caracterizadas pela criatividade social e tecnológicas intensa, pelo aprofundamento da espiritualidade e da consciência dos sistemas ambientais agora estão juntos para criar a mudança global de uma magnitude ainda maior do que já vivemos na história da humanidade como no Renascimento e na Revolução Industrial. Ela nos faz relembrar de onde viemos e como chegamos até aqui. De nossa evolução como seres vivos. Que apesar de todo o caos, há beleza, há possibilidades, há Amor Supremo. Faz-nos lembrar também que nossa centelha divina está mais acessa do que nunca, sintonizados com o Cosmos, com as necessidades do planeta e de mudanças de hábitos. Este filme nos fez perceber o quanto somos importantes neste Sistema. O quanto somos responsáveis pela nossa felicidade e a de todos os seres!
Esse trabalho maravilhoso de divulgação do filme é realizado pelo casal Victor e Rosana Ades. Ele, engenheiro, designer de sustentabilidade e especialista em ecovilas e ela, terapeuta holistica e massoterapeuta, pessoas iluminadas, atuantes e conscientes dessa nova era.
Para quem se interessa e se importa com a felicidade do mundo, eles levam até vocês esta experiência, também nas escolas, empresas, livrarias, grupos de amigos, etc. Ah! E ainda tem um extra! Após o filme acontece um debate enriquedor!!!
Contatos: Rosana Ades: 3672-0602/8100-9279 e Victor Ades: 2532-4357/8100-8649.
"Estamos fazendo a nossa parte!".
Abraços a todos!
Luciana e Cris.

Mandala: um caminho para o autoconhecimento e as diferentes formas de se fazer isso!

(Ilustração de Duane Carpenter)
Quando desenvolvi o curso de Mandalas em Vitral, embora seja psicodramatista por formação e experiencia, me encantei com a referencia teórica de Jung. A idéia inicial foi utilizar alguns jogos dramáticos, porém com embasamento teórico junguiano. Durante o período de pesquisa e estudos, percebi minha sincronicidade com alguns profissionais da área. É, o universo tem dessas coisas! Foi quando me deparei com o trabalho maravilhoso da Psicóloga Dra. Marcia Iorio sobre o tema.
Segundo Monalisa Dibo, outra profissional da área, "os mandalas foram trazidos à luz da psicologia por Carl Gustav Jung, estabelecendo um alicerce científico para a sua interpretação. Segundo Jung, existe no homem um padrão interno, isto é, um fato psíquico autônomo, que ocorre espontaneamente, onde percebemos ascenção de símbolos da profundidade da psique". O símbolo do círculo, por exemplo, nos remete às camadas do inconsciente, isto é, que reprimimos. O círculo, a esfera e o redondo continuam a representar a divindade, aquilo que é completo e suficiente em si mesmo, o eu integrado e expresso por meio do mandala.
A elevada significação dos mandalas em todas as culturas possui a mesma qualidade metafísica que é a projeção de conteúdos psicológicos individuais e coletivos. Via de regra, os mandalas mostram em todas as partes do mundo que há a mesma disposição de seus elementos. Estes se encontram reunidos no centro em forma de polígonos ou círculos. Representam sempre os aspectos e as propriedades psíquicas sempre mutáveis e em movimento. Todos os símbolos com que o homem buscou explicações, seja por meio da mitologia ou em outras formas, encontram-se tão vivos hoje como sempre estiveram. Expressam-se nas artes, na religião e nos processos psíquicos por meio dos sonhos e das nossas fantasias".
Na Psicologia Analítica, o mandala nos ajuda a buscar sentimentos escondidos lá no fundo do inconsciente e trazê-lo a consciencia para serem integrados e conscientizados, possibilitando-nos viver mais plenamente.
Já o Psicodrama é uma metodologia de investigação e intervenção nas relações interpessais, nos grupos, entre grupos ou mesmo no relacionamento de uma pessoa consigo mesma. Criado por JACOB LEVY MORENO (1889-1974) o psicodrama foi introduzido no final da década de 20 como terapia de grupo, com o objetivo de favorecer as relações vivas e diretas com as emoções, sentimentos e fantasias do sujeito, graças às possibilidades expressivas que permeiam a representação teatral. O convite é para o indivíduo ou grupo contar e dramatizar a sua história, estimulando a espontaneidade e criatividade, mobilizando o corpo para o agir, sentir a realidade, reconhecendo o processo de inter-relacionamento, os vínculos e encontros estabelecidos.
Trabalhando com o Psicodrama e a Psicologia analítica, segundo a Dra. Marcia, "partimos da hipótese que, ao dramatizarmos espontaneamente, a "sombra" (Jung) tem a possibilidade de adquirir expressão, aproximar-se e ser reconhecida pela consciencia". Pois é, analisar o jogo dá samba. E os estudos continuam!!!

Como tudo acontece!!

Queridos amigos!
Em nossos cursos compartilhamos o conhecimento e contamos com a participação espontanea e comprometida dos alunos.
Trocamos sabedoria e experiencias através da doação e satisfação em vivenciar novas descobertas. Celebramos a VIDA!

Como tudo começou!!



Em 2002 tive a oportunidade de participar de uma iniciação budista com os lamas tibetanos no CURSO DE MANDALAS TIBETANAS EM AREIA.
Na época eu estava num momento de reflexão e transformação profunda, em busca de um novo sentido e propósito de vida.
O desejo de encontrar um novo caminho era tão intenso, que a partir deste curso pude reconectar com minha essência divina. Através das meditações e insigths durante o curso com os lamas, surgiu um desejo enorme de criar e pintar mandalas. Comecei a executar pinturas em cacos de vidro, sem nunca ter aprendido tal técnica. A partir daí desenvolvi um projeto (PROJETO MANDALA) onde pude conciliar minhas experiencias grupais como psicóloga com os fundamentos espirituais e psicológicos do universo das Mandalas.
Pesquisei profundamente sobre esse universo da mandala, para que eu pudesse me embasar pratica e teoricamente. Desta experiência e pesquisa resultou este curso que apresento agora para voces!
São grupos motivacionais e de transformação, de onde poderão surgir atendimentos terapêuticos(individuais ou grupais) de acordo com o desejo dos participantes. A cada grupo vão surgindo novas descobertas, novos temas e espontânea e amorosamente, vamos tecendo nossa rede de amor!
Tashi Delek (Saudação tibetana, "felicidades e bons auspícios").

MANDALA DE AREIA



Quando participei do CURSO DE MANDALA DE AREIA com os lamas tibetanos, pude perceber, durante essa iniciação, que somos envolvidos num processo de concentração e autoconhecimento profundo. Inicialmente busca-se a perfeição. Percebemos com clareza, todas as etapas da evolução do trabalho, assim como seus respectivos sentimentos. Passamos pela frustração, medo, raiva, insegurança, perseverança, esperança, reconhecimento, satisfação, capricho, orgulho, ego, etc., até chegarmos na etapa do desapego diante da criação.
Reconhecemos a importância desse momento, do aqui/agora e da alegria em poder compartilhar a beleza da criação, porém, sem tentarmos nos apoderar disso, pois se trata apenas de uma grande ilusão, assim como nossa própria vida. Ao final, faz-se o ritual da benção de agradecimento, recitam-se mantras e logo em seguida as mandalas são desfeitas, simbolizando e demonstrando a transitoriedade das coisas na vida (no budismo chama-se princípio da impermanência), mesmo que estas exijam maior esforço (exercício do desapego).
Simbolicamente esta “areia” é espalhada por toda a natureza (solo, rio, etc) abençoando todo o planeta e todos os seres que nela habitam.
Tashi Delek